O cérebro é um músculo, todo mundo sabe!

Tá, tudo bem, pode não ser EXATAMENTE um músculo, mas pode ser tratado como tal quando o assunto for exercitá-lo. Pois como um músculo, o cérebro precisa de estímulos para estar sempre ativo, além de gatilhos para buscar informações e transformá-las em criatividade. 

Mas o que é criatividade?

Se você for ver, a criatividade é uma mistura, onde suas memórias, aprendizados, conclusões, pontos de vista, entendimentos de mundo e de coisas pequenas são todos batidos no liquidificador da sua mente e podem trazer algo novo, diferenciado, inovador ou até jamais visto. 

Afinal, a criatividade não passa de uma mistura de você mesmo que sempre resulta em algo diferente, por isso é tão especial. 

Mas como exercitar os músculos da criatividade? Quais são as academias ou esportes, que podem ser frequentados pelo mundo das ideias? 

1- Termos invertidos. 

A inversão de termo sempre foi um ótimo exercício a ser praticado por quem trabalha com a cabeça. Desta forma você pode estimular os neurônios a praticarem caminhos diferentes para chegar ao mesmo objetivo, ou até a outros objetivos. 

Por exemplo, treine falar os seus pensamentos de forma diferente, mas sem alterar os sentidos, como: 

1- Ontem acordei cedo e fui passear com as minhas cachorras antes de ir para o trabalho. 

2- Antes de ir para o trabalho, passeei com minhas cachorras e acordei cedo para isso. 

Depois disso, inverta os termos para chegar ao resultado mais absurdo possível. 

1- Ontem acordei cedo e fui passear com as minhas cachorras antes de ir para o trabalho. 

2- Acordei no trabalho ontem e saí para passear cedo antes de ir até as minhas cachorras. 

Assim você começa a desenvolver uma forma de enxergar as coisas sempre de uma ótica diferente. 

2- Referências de áreas diferentes. 

É bem interessante você sempre começar a ler artigos de áreas completamente diferentes da sua. Isso, para a publicidade, uma das áreas onde mais se utilizam a criatividade para se trabalhar, pode até ser considerado parte do dia a dia. Já que, para se realizar campanhas para clientes de diversas áreas, faz-se necessário “entrar no mundo do cliente”. Então, no mesmo dia que um profissional está lendo sobre novidades na sua área, também está se informando com novidades das áreas dos seus clientes, que podem ser desde revendas de pneus, até fábricas de balas de goma. 

Mas caso a sua área não seja esta e você precise de novos horizontes, ler sobre a área publicitária pode ser de grande ajuda. 

3. Anotar tudo. 

As ideias vão e vem em locais totalmente diferentes em que você estiver. Às vezes você está no ônibus, no carro, no banheiro, ou entre outro locais, e as ideias chegam a até você como num passe de mágica. 

Nesses caso, é sempre bom você anotar as suas ideias para lembrar ou até repensá-las depois. 

4. Vamos conectar nada com lugar nenhum? 

Como assim? Simples, para você estimular as ideias, é importante você ligar situações, objetos ou mesmo coisas que não ligação. 

Um ótimo exercício para estimular a criatividade é unir objetos aparentemente sem ligação alguma. E para realizar isso de forma efetiva, você sempre deve pensar como algo que não tem nada a ver com o seu problema a ser resolvido, pode ajudá-lo. Por exemplo o desfibrilador, desde quando a ideia de dar choques no coração poderia ser um estímulo para que ele volte a bater? São destas questões desconexas que podem surgir as maiores conexões. 

5.  S.C.A.M.P.E.R. ou somente SCAMPER.

Este é um exercício que pode se tornar um grande parceiro na hora de descobrir mais ideias escondidas no seu cérebro. Também pode ser utilizado como uma técnica para deixar o brainstorm mais efetivo e certeiro. Se tornando assim uma forma de enxergar além do alcance, por meio de técnicas onde você estimula o cérebro por meio de relações conceituais e semânticas chegando assim a resultados diferenciados. 

As letras explicam a técnica. Elas são:

Substituir: substituir pedaços do problema por outros. Chegando a novos raciocíneos.

Combinar: juntar soluções de outras áreas para ver se cabem no problema a ser resolvido. 

Adaptar: como se adaptar ao problema? 

Modificar: onde o problema pode ser modificado para gerar uma solução? 

Procurar usos diferentes: como esse problema reflete em outras áreas e quais as soluções que elas propõe? 

Eliminar: o que pode ser eliminado para simplificar ainda mais o resultado? 

Reorganizar: como posso reordenar as informações do problema para achar nelas uma nova solução. 

6.Técnica do o Sonhador, o Realista e o Crítico.

Aqui vamos apresentar mais uma arma para efetivar ainda mais o seus métodos de criar, estimulando as ideias e exercitando o cérebro. Uma ótima academia para o cérebro estão nas técnicas de neurolinguística e esta aqui, era utilizada, nada mais na menos, do que por Walt Disney e ela se denomina o Sonhador, o Realista e o Crítico. 

Ninguém falou que ter ideias é simples, e pior do que isso é que normalmente elas serão analisadas por pessoas diferentes. Então, porque não, na hora de ter estas ideias já encarar quais seriam as opiniões destas pessoas? Assim você já terá saídas, armas, ou mesmo preparo, para conversar com elas de forma efetiva. 

Mas do que isso se trata? 

Ao começar a ter uma ideia, passe pelo processo de análise de três pessoas que não se parecem nada uma com a outra: o Sonhador, o Realista e o Crítico.

Sonhador: é aquele que vai dar asas aos pensamento e criar as soluções para os problemas ou projetos “sem medo de ser feliz”. Então, pense de forma ousada, sem precedentes, sem custos e sem limites. O momento de se soltar é esse. 

Realista: será que esta sua ideia é viável de ser feita ou os custos para sua realização estão de acordo com o estabelecido? Além disso, quais são os processos e ações que devem ser pensados para que tudo seja concluído de forma perfeita? 

Crítico: um crítico não é aquele que reprova tudo o que vê pela frente. Se algo é bom, ele incentiva, se algo é ruim, ele reprova. Então, seja crítico, pense em tudo de errado que o seu projeto pode acarretar desde de sua idealização, até a sua execução e resultados. Se você não ver muitos pontos negativos, incentive, mas já se os pontos negativos forem maiores, reprove, desconstrua ou faça tudo de novo. 

O desenvolvimento de ideias não é uma tarefa fácil, mas se feita de forma exemplar, pode trazer resultados incríveis e inesperados.